sexta-feira, 16 de julho de 2010


Nísia Back e Zezé Di Camargo no Mosh - SP

Release


Herdeira da formação musical dos festivais da década de 1980 (conforme discriminado abaixo), quando, ainda adolescente (ao lado de artistas como Gonzaguinha, Leila Pinheiro e Flávio Venturini, Joyce e Milton Nascimento, entre outros), destacou-se como cantora e intérprete (com músicas de sua autoria) nas edições do Festival “Minas é Música” (promovido pela Rede Globo - MG), Festival do Carmo - RJ, Festival de Governador Valadares - MG e Festival Miracema/Minas, que lhe proporcionou o convite do produtor Líber Gadelha para a gravação do seu primeiro tape (Polygram), Nísia Moraes, na fase inicial da sua vida profissional, enquanto aguardava a oportunidade de realizar o sonho de gravar o seu primeiro CD, pôde mostrar parte do seu talento atuando como back-vocal (shows/stúdio) para Carlos Colla, Alcione e José Augusto (ocasião em que teve a cantora Zélia Duncan como colega de trabalho). Nesta fase, aliás, além de back-vocal, fazia dublagens em empresas como a Herbert Richers e trabalhava na área de jingles, gravando spots publicitários e mensagens comerciais para a Tape Spot, reconhecida firma do ramo, onde dividia o stúdio com Zélia Duncan (que estava se preparando para lançar o seu primeiro CD).
Em virtude do projeto de gravação do seu primeiro CD (que tinha como base o tape produzido por Líber Gadelha) ter sido interrompido pela interferência do Plano Collor, que afetou os investimentos no setor, Nísia aceitou o convite de Aldo Ghetto para participar da equipe de Fábio Jr. como back-vocal, trabalho este que desenvolveu entre os anos de 1993 e 1994 (ao lado de Adriana que, logo depois, formou o grupo “Rabo de Saia”), quando o artista cumpriu uma das maiores agendas de shows da sua carreira. O ingresso na equipe de Fábio Jr., formada por músicos como Elias e Álvaro (Guitarras), Pedro Ivo (Baixo), Jotinha (Teclados) e A. C. Dalfarra (Bateria), e que tinha Sueli como Secretária Pessoal, coincidiu com o casamento de Nísia que, para o show do Imperator (Méier/RJ), chegou usando vestido de noiva (já que a cerimônia fora realizada horas antes em Teresópolis, interior do Estado).
Mudando-se para São Paulo, finalmente gravou o seu primeiro CD, fazendo parte de uma dupla produzida por César Augusto, “Mulheres Urbanas”, ao lado de Isamara. A gravidez, no entanto, interrompeu a sua carreira e os seus planos, tendo Nísia Moraes optado por investir no trabalho que, como back-vocal (stúdio), atriz-dubladora e cantora/locutora de jingles, realizara no Rio anteriormente. Como compositora, além de outras, fez parceria com César Augusto na música “Vai e Vem” (gravada por “Mulheres Urbanas” e cantada por João Paulo e Daniel em vários shows, assim como por Lucas e Luan, inclusive na Festa do Peão Boiadeiro de Barretos) e com Carlos Colla na música “Beijos Ardentes” (gravada por “Mulheres Urbanas”), sendo também autora de “O Tempo” (letra e música), que tem como intérprete Rebeca Nemer (que trabalha com linguagem de sinais para surdos na equipe de Maurício de Souza), e de “Menina da China”, produzida por Gilberto Gouveia (Giba, maestro do programa “Boa Noite Brasil”, dirigido pelo apresentador Gilberto Barros), e gravada por Manuela Balans.
Agora, em parceria com o Escritor e Poeta Mariano da Rosa (autor de “O Todo Essencial” – Universitária Editora / Lisboa – Portugal), Nísia Moraes apresenta o repertório da nova fase de sua carreira de compositora.

Nenhum comentário: